Em 1931 psiquiatra admitiu fracasso dos testes em animais

macaco Lumpi MPI investigacao buav
Macaco Lumpi, usado em testes neurológicos no MPI, Alemanha (Imagem: BUAV)

Já em 1931, o psiquiatra londrino Bernard Hollander (1864-1934) reconheceu o fracasso das pesquisas com animais para a cura dos transtornos mentais:

“Sessenta anos atrás se dizia que as experiências nos cérebros expostos de animais vivos revelariam rapidamente a natureza da mente e o funcionamento do cérebro, e fariam com que a doença mental desaparecesse para sempre. Mas, como é sabido, essas esperanças extravagantes não foram cumpridas.

[…]

Agora que as experiências em animais aparentemente atingiram seu limite de utilidade, um método mais promissor para avançar o nosso conhecimento das funções mentais do cérebro pode ser a coleta de dados clínicos e patológicos: observando os efeitos da lesão cerebral e da doença no ser humano, uma vez que só ele pode comunicar seus sentimentos, sensações e pensamentos, por meio do discurso.”

Citação em Brain, Mind, and the External Signs of Intelligence. Routledge (2015), pp. 7-9, publicado pela primeira vez em 1931.

Anúncios

2 respostas para “Em 1931 psiquiatra admitiu fracasso dos testes em animais”

  1. Tanta tortura, para chegar a esta conclusão, e assim a ciência permanece cega e surda com relação aos abusos cometidos contra os animais. Lamento muito.

  2. Republicou isso em Paulosisinno's Bloge comentado:
    Já em 1931, o psiquiatra londrino Bernard Hollander (1864-1934) reconheceu o fracasso das pesquisas com animais para a cura dos transtornos mentais:

    “Sessenta anos atrás se dizia que as experiências nos cérebros expostos de animais vivos revelariam rapidamente a natureza da mente e o funcionamento do cérebro, e fariam com que a doença mental desaparecesse para sempre. Mas, como é sabido, essas esperanças extravagantes não foram cumpridas.

    […]

    Agora que as experiências em animais aparentemente atingiram seu limite de utilidade, um método mais promissor para avançar o nosso conhecimento das funções mentais do cérebro pode ser a coleta de dados clínicos e patológicos: observando os efeitos da lesão cerebral e da doença no ser humano, uma vez que só ele pode comunicar seus sentimentos, sensações e pensamentos, por meio do discurso.”

    Citação em Brain, Mind, and the External Signs of Intelligence. Routledge (2015), pp. 7-9, publicado pela primeira vez em 1931.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s