Organização europeia diz que a psiquiatria precisa parar de testar em animais

É cada vez maior o número de instituições e cientistas que alertam sobre a ineficácia da experimentação animal. Há uma crescente preocupação com a ideia do “modelo animal”, isto é, com a crença de que podemos extrapolar dados entre as espécies. Dentre as instituições que hoje lutam para acabar com a experimentação animal, está a Antidote Europe.

Entidade alerta que usar os animais como modelos confiáveis para humanos é como jogar uma “roleta russa” com a vida do paciente.

Entidade alerta que usar os animais como modelos confiáveis para humanos é como jogar uma “roleta russa” com a vida do paciente.

A Antidote Europe é uma organização europeia sem fins lucrativos, composta por cientistas e pesquisadores que se opõem à experimentação animal. De acordo com a organização, tal posição é adotada por razões “estritamente científicas”.

Dr. Claude Reiss faz parte da equipe. Médico, ele ocupou durante 30 anos o cargo da diretoria do Centro Nacional da Pesquisa Científica (CNRS). O CNRS é nada menos do que o maior órgão público de pesquisa científica da França, e também um dos mais importantes do mundo.

Reiss afirma que confiar no modelo animal “é como jogar uma roleta russa com a vida do paciente”¹. Já para o médico veterinário Dr. Andre Menache, diretor da Antidote Europe, a discussão do “modelo animal” é particularmente preocupante nas pesquisas da área psiquiátrica. Ele alerta que usar outras espécies como modelos para doenças mentais humanas – como esquizofrenia e depressão –, tem sido um péssimo caminho adotado pelos cientistas da área. Isso porque, de acordo com Menache, a maioria dos transtornos mentais relatados no DSM, manual de diagnóstico da psiquiatria, não possui qualquer nível de equivalência com a situação vivida nos animais de laboratório.

Dr. Menache escreveu um artigo, publicado na Psychiatric Times, no qual discute especialmente a problemática dos “modelos animais” na psiquiatria². O artigo, que inclui uma série de referências científicas, revela que a maioria das descobertas das drogas psiquiátricas foram feitas “ao acaso”, e não com o uso de animais. Por exemplo, o medicamento Isoniazida era originalmente utilizado para o tratamento de tuberculose, porém, em 1957, através da observação clínica se descobriu que ele possuía propriedade antidepressiva. Posteriormente, a Isoniazida foi substituída por antidepressivos tricíclicos (ADTs), que atuam diretamente nas sinapses neuronais.

A descoberta da clorpromazina também segue um roteiro semelhante, uma vez que era utilizada como anestésico, mas que, com a prática clínica, se descobriu que era eficaz no tratamento de pacientes esquizofrênicos. Com o lítio, a história se repete. Ele foi relatado em 1949, pelo médico John Cade, como eficaz na indução do efeito calmante em seres humanos. Cade chegou a esta conclusão com a experiência clínica. As benzodiazepinas, também usadas hoje para o tratamento da esquizofrenia, foram descobertas acidentalmente em 1955. E as drogas mais recentes, denominadas de SSRIS, começaram a ser produzidas a partir do conhecimento da estrutura química de substâncias, por meio da análise do desenho racional de drogas.

Todos estes exemplos atingem diretamente a espinha dorsal do argumento do “modelo animal”. Se os medicamentos foram e continuam sendo descobertos por modelos que não usem animais, então toda a ideia de “necessidade” absoluta da pesquisa animal cai por terra.

Menache também aponta que os testes em animais não conseguem “prever” os efeitos que uma droga causará em humanos. A Tirilazad, uma droga cotada para o tratamento de AVC, por exemplo, teve resultados promissores em testes feitos em animais, mas quando foi usada por pacientes humanos, piorou o quadro do derrame.

Assim, Menache conclui que a tendência da ciência atual é um caminho sem as pesquisas com animais. Uma mensagem que é, infelizmente, amplamente ignorada por boa parte da comunidade científica, ainda bastante relutante em adotar a ciência do século XXI. Até que estes se dobrem às evidências, continuaremos produzindo efeitos danosos para os animais, humanos e não-humanos.

 Referências

¹Dr Claude Reiss, DLRM Newsletter, No.9, Autumn 2002.

²Menache, Andre. Are Animal Models Relevant in Modern Psychiatry?, Psychiatric Times, February 28, 2012.

Anúncios

5 ideias sobre “Organização europeia diz que a psiquiatria precisa parar de testar em animais

  1. mariarute

    pode a ciencia a medicina usar outro metodo que nao seja esse de usar os animalzinhos que sofre muito tambem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s