Vacinação e antibióticos não são responsáveis pelo aumento da nossa expectativa de vida

Os defensores da experimentação animal costumam dizer que ela garantiu e promoveu a saúde humana ao longo da história da humanidade. Porém, analisando os dados estatísticos, pode-se constatar que tal afirmação é falaciosa.

Vacina

De acordo com vivissectores, sem a pesquisa animal ainda estaríamos na “Idade Média” – essa alegação é utilizada com frequência por indivíduos que provavelmente não verificaram o principal motivo do aumento da nossa expectativa de vida.

A medicina curativa é deveras limitada na promoção da saúde. O investimento em saneamento básico e medicina preventiva costumam ser mais eficazes. Segundo o governo brasileiro, para cada 1 real investido no setor de saneamento, 4 reais são economizados em medicina curativa (Ribeiro & Rooke, 2010).

Sharpe (1988) elaborou alguns gráficos cruzando dados da queda de mortalidade por doenças infecciosas com a descoberta dos antibióticos e da vacinas, constatando que a primeira é anterior à segunda:

febre tifoide grafico

tuberculose grafico

escarlatina grafico

difteria grafico

Referências

RIBEIRO, J. W; ROOKE M. S. Saneamento Básico e Sua Relação Com o Meio Ambiente e a Saúde Pública. P. Juiz de Fora – MG: 2010. [Link]

SHARPE, Robert. The cruel deception: The use of animals in medical research. Thorsons Publishing Group, 1988.

Anúncios

Uma resposta para “Vacinação e antibióticos não são responsáveis pelo aumento da nossa expectativa de vida”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s